Beco do Jorge é reestruturado no aniversário da cidade de Areia

(Foto: Codecom/PMA)

Seguindo a programação em comemoração aos 171 anos da cidade de Areia, na tarde do dia 19 de Maio terá a inauguração do “Beco do Jorge”. O lugar foi adotado pelos “Encontro dos Filhos e Apaixonados por Areia” com o objetivo de reestruturar o local, para se tornar mais um atrativo turístico de Areia.

Foto: Codecom/PMA

“Adotar e reestruturar o ‘Beco do Jorge’ é uma forma de mostrar para a população de Areia que devemos cuidar da cidade. Areia não é a terra do esquecimento, é terra da cultura, dos engenhos que produzem cachaças, rapaduras e que estão gerando emprego para nossa população”, disse a organizadora do Décimo Encontro dos Filhos e Apaixonados por Areia”, Adelaide Teixeira.

Alguns moradores já estão cuidando das plantas. (Foto: Codecom/PMA)

Nessa reestruturação, foram feitas algumas alterações no local como, por exemplo, a instalação de grades com jardineiras, transformando o lugar em um “Beco das Flores”, além de bancos e vasos de plantas. “A nossa intenção é a de transformar o espaço em um lugar agradável para os turistas e o de conscientizar a população a manter nosso patrimônio limpo, organizado, civilizado”, finalizou Adelaide Teixeira. A passagem de motos está proibida a partir desta semana, como forma de garantir a segurança dos pedestres que circulam no local. Isto permite dar mais visibilidade também às lojas e aos vendedores ambulantes de comida.

A passagem de motos foi interrompida. (Foto: Codecom/PMA)

Segundo a Diretora de Planejamento da Secretaria de Cultura e Turismo, Ana Clara Maia, o Beco do Jorge é conhecido por esse nome, devido a Francisco Jorge Torres, apelidado de “marinheiro Jorge”, um português que chegou ao Brasil no início do século XIX. “Ele fez fortuna no estado de Pernambuco, e então, veio para Areia, onde comprou fazendas e construiu várias casas na principal rua da cidade, impulsionando o desenvolvimento na época. Jorge Torres era um dos homens mais ricos e importantes da cidade. Ergueu em 1818 o primeiro sobrado da cidade, o Casarão José Rufino”, disse. No final do século passado, o Casarão foi uma pousada, antes de ser vendido ao Tribunal de Justiça, quando abrigou o Fórum por alguns anos. É chamado de “Beco do Jorge”, pois esse beco era um dos caminhos que Jorge Torres usava para chegar a seus engenhos. E, assim, ficou esse nome.

 

Veja como era o Beco antes da intervenção. (Foto: Codecom/PMA)